INTERCONEXÕES DE POÉTICAS AUDIOVISUAIS

Por Adriana Pierre Coca | 10 Jul 2018

O livro Interconexões de Poéticas Audiovisuais apresenta um estudo, cujo o objetivo foi ampliar os debates da comunicação audiovisual. O autor discute e propõe algumas reflexões sobre a linguagem do videoclipe e a do cinema, vistas a partir de suas inter-relações.

As reflexões tratadas nesta obra são vistas a partir de cruzamentos e trânsitos entre os contornos e especificidades das linguagens e as relações com o fenômeno da hibridização. O autor desenvolve uma contextualização histórica e estética que pontua momentos cruciais no desenvolvimento do audiovisual. Há uma identificação de proximidades e caracterizações com elementos estéticos comuns entre o videoclipe e os filmes cinematográficos.

Esses momentos impregnados nos filmes e nos videoclipes são pensados a partir de conceitos que se somam e se articulam numa tessitura. A ideia de transcineclipe parte do princípio de existir dentro de filmes cinematográficos momentos específicos na narrativa, onde existe uma clara evidencia de uma aproximação com elementos característicos da linguagem do videoclipe, o que aponta uma definição de estilo na composição fílmica de alguns cineastas, que utilizam destas pontuações. Esses momentos tem um carga poética intensa na cinematografia de alguns cineastas, como o canadense Xavier Dolan, em evidencia nas análises do livro.

Por outro lado, é estabelecido contornos que identificam as referências cinematográficas em videoclipes. Rodrigo Oliva sustenta a hipótese de existir no processo de transmidialidade, onde os videoclipes não mais produzidos com o objetivo da projeção televisiva e sim para a internet, existir uma abertura para videoclipes de caráter narrativo. Os elementos da narrativa cinematográfica são incorporados de formas mais evidentes, como por exemplo, inserção de diálogos, personagens e uma ampliação do tempo. Uma marca é a assinatura dos videoclipes, numa evidencia de autoria e também nomeando videoclipes como sendo filmes.

A hiperestilização é discutida pelos requintes de excesso que a utilização destes recursos e o trânsito entre as linguagens possibilitam. Esse hiperbolismo deflagrado pelos efeitos torna as linguagens audiovisuais hiperestilizadas.

Há uma proposição de discutir e pensar essa transformação de videoclipes em filmes. Hoje, o que se verifica é assinatura dos videoclipes como sendo filmes. Isso é tratado no livro de uma forma a pensar esses novos formatos audiovisuais que vem, nesses contornos da digitação, apontando para uma unidade fílmica. Os componentes que antes eram vistos de forma isolada, num processo amplo de hibridização tornam-se homogêneos na sua composição audiovisual.

O livro Interconexões de Poéticas Audiovisuais discute tais fenômenos de uma maneira a revelar uma série de construções de natureza estética e estilística utilizadas nos materiais audiovisuais contemporâneos. Vale muito a leitura.