As travessias entre linguagens na recriação televisual de Dom Casmurro.

Por Adriana Pierre Coca | 13 Ago 2018

A discussão de hoje no Blog Telerrecriaçãose respalda, principalmente, na teoria daintermidialidadee traz como exemplo empírico o processo da recriação do romance Dom Casmurro para a TV.

A discussão de hoje no Blog Telerrecriaçãose respalda, principalmente, na teoria daintermidialidadee traz como exemplo empírico o processo da recriação do romance Dom Casmurro para a TV,que é a microssérie Capitu(2008/TV Globo), com o objetivo de compreender como se configuram os diálogos entre as diferentes artes e mídias que se entrelaçam na trama televisual sugiro, então, como aporte teórico-metodológico a divisão tripartida oferecida por Rajewsky (2012) aliada à análise de cenas.

É um meio de identificar e analisaras travessias que se concretizam por meio de referências diversas. A autora (2012) propõe pensar a intermidialidade em um sentido restrito como uma transposição midiática. Por exemplo, a transposição do livro Dom Casmurro para a televisão; nessa proposta, o foco é a criação de um produto transformado para outra mídia.

Em outro sentido, Rajewsky (2012) chama a atenção para a intermidialidade como uma combinação de mídias distintas, as relações mixmídias, como acontecem em algunsprogramas de TV, performances ou espetáculos de dança. E o último sentido restrito para se pensar as relações intermidiáticashá as referências entre mídias, como a citação de um texto literário em um seriado de TV, a evocação de técnicas cinematográficas na composição de uma história em quadrinhos ou a musicalização da literatura.

Todas essas possibilidades podem se fundir em um único texto, e é isso o que acreditamos que ocorre na microssérie, uma atualização do romancea partir de atravessamentos vindos do cinema, da ópera, da Commediadell’artee das artes visuais, que provocam rupturas de sentidos em relação ao modo usual de narrar na TV. Supomos que as referências que compõem a produçãorealizamum diálogo com outras artes e mídias permeado pelos três vieses colocados: a combinação, a referência e a transposição e se constitui sob um repertório universal, que fala para muitos espectadores.

A maioria dessas relações surgiu no romance de Machado de Assis e foram incorporadas à recriação televisual. Para fazer esse percurso pelos vieses da Intermidialidade e ver como eles foram atados no texto televisual só vendo a microssérie e a observando com atenção. Por hoje, vamos parar por aqui, nas semanas seguintes, tratarei sobre essas relações na microssérieCapitu, observações realizadas durante minha pesquisa de mestrado. Até lá.

 

REFERÊNCIAS

COLLINGTON, Tara. Uma abordagem bakhtiniana para os estudos da adaptação.Revista Eco-Pós, v.12. n. 3, p.132-142,set/dez2009.

GLÜVER, Claus. Inter textus / inter artes / inter media. Aletria – Revista de estudos de Literatura. Belo Horizonte, p. 11-41, jul./dez. 2006.

PRÜM, Karl. O trabalho da câmera: uma experiência intermidiática. A concepção da imagem do cameramanEugenSchüfftan (1886-1977). In:DINIZ, Thaïs Flores Nogueira; VIEIRA, André S. (orgs.).  Intermidialidade e estudos interartes – desafios da arte contemporânea II. Belo Horizonte: UFMG, 2012, p. 99-114.

RAJEWSKY, Irina O. A fronteira em discussão: o status problemático das fronteiras midiáticas no debate contemporâneo sobre intermidialidade. Trad. Isabela S. Mundin. In:DINIZ, Thaïs Flores Nogueira; VIEIRA, André S. (orgs.).  Intermidialidade e estudos interartes – desafios da arte contemporânea II. Belo Horizonte: UFMG, 2012, p. 51-73.

STAM, Robert. Bakhtin: da teoria literária à cultura de massas. São Paulo: Ática, 1992.